A incrível reação do seu corpo à água

O escritor James Nestor explora a ciência do “reflexo de mergulho dos mamíferos”, o fenômeno pelo qual a água provoca uma diminuição imediata da frequência cardíaca.

Em 1949, um tenente da força aérea italiana chamado Raimondo Bucher decidiu tentar uma façanha potencialmente mortal na costa de Capri, Itália. Bucher navegaria até o centro do lago, respiraria, prenderia a respiração e mergulharia 30 metros até o fundo. Haveria um homem esperando em uma roupa de mergulho. Bucher entregaria ao mergulhador um pacote e então voltaria à superfície. Se ele concluísse o mergulho, ganharia uma aposta de cinquenta mil libras; se não o fizesse, ele se afogaria.

Os cientistas avisaram Bucher que, de acordo com a lei de Boyle, o mergulho iria matá-lo. Formulada na década de 1660 pelo físico anglo-irlandês Robert Boyle, essa equação previu o comportamento dos gases em várias pressões e indicou que a pressão de 30 metros encolheria os pulmões de Bucher a ponto de entrar em colapso. Mesmo assim ele mergulhou, entregou o pacote e voltou à superfície sorrindo, com os pulmões perfeitamente intactos. Ele ganhou a aposta, mas mais importante, provou que todos os especialistas estavam errados. A lei de Boyle, que a ciência considerou um evangelho por três séculos, pareceu desmoronar debaixo d’água.

A lei de Boyle, que a ciência considerou um evangelho por três séculos, pareceu desmoronar debaixo d’água.

O mergulho de Bucher ressoou com uma longa linha de experimentos – muitos deles muito cruéis e até monstruosos para os padrões modernos – que pareciam indicar que a água pode ter um efeito de prolongamento da vida em humanos e outros animais.

Em 1962, Per Scholander , um pesquisador sueco que trabalhava nos Estados Unidos, reuniu uma equipe de voluntários, cobriu-os com eletrodos para medir seus batimentos cardíacos e os furou com agulhas para tirar sangue. Scholander vira as funções biológicas das focas de Weddell inverterem-se em águas profundas; as focas, escreveu ele, na verdade pareciam ganhar oxigênio quanto mais e mais fundo mergulhavam. Scholander se perguntou se a água poderia desencadear esse efeito em humanos.

Ele começou o experimento conduzindo voluntários até um enorme tanque de água e monitorando seus batimentos cardíacos enquanto eles mergulhavam no fundo do tanque. A água desencadeou uma redução imediata da frequência cardíaca.

 

A incrível reação do seu corpo à água

Sobre a imagem – O corpo humano em sua forma natural (sem pesos ou roupas de neoprene) é a flutuabilidade perfeita para mergulho em águas profundas. Somos capazes de flutuar na superfície e ainda assim podemos mergulhar em grandes profundidades com pouco esforço. A partir da esquerda, o nadador Peter Marshall, Hanli Prinsloo e o autor. Jean-Marie Ghislain / ghislainjm.com

Em seguida, Scholander disse aos voluntários para prender a respiração, mergulhar, amarrar-se em uma série de equipamentos de ginástica submersos no fundo do tanque e fazer um treino curto e vigoroso. Em todos os casos, não importa o quão duro os voluntários se exercitassem, seus batimentos cardíacos ainda despencaram.

Essa descoberta foi tão importante quanto surpreendente. Em terra, o exercício aumenta muito a frequência cardíaca. Os batimentos cardíacos mais lentos dos voluntários significavam que eles usavam menos oxigênio e, portanto, podiam permanecer debaixo d’água por mais tempo. Isso também explicava, até certo ponto, por que Bucher podia sobreviver até três vezes mais tempo na água do que ao ar livre: a água tinha alguma capacidade poderosa e desconhecida de desacelerar o coração dos animais.

Scholander notou outra coisa: uma vez que seus voluntários estavam debaixo d’água, o sangue em seus corpos começou a fluir de seus membros em direção a seus órgãos vitais. Ele tinha visto a mesma coisa acontecer em focas de mergulho profundo décadas antes; ao desviar o sangue de áreas menos importantes do corpo, as focas foram capazes de manter órgãos como o cérebro e o coração oxigenados por mais tempo, estendendo o tempo em que poderiam permanecer submersos. A imersão em água desencadeou o mesmo mecanismo em humanos.

Esse desvio é chamado de vasoconstrição periférica e explica como Bucher pôde mergulhar abaixo de trinta metros sem sofrer os efeitos de esmagamento do pulmão que a lei de Boyle havia previsto. Em tais profundidades, o sangue realmente penetrava nas paredes celulares dos órgãos para neutralizar a pressão externa. Quando um mergulhador desce a 300 pés – uma profundidade freqüentemente alcançada pelos mergulhadores livres modernos – os vasos nos pulmões se enchem de sangue, evitando que entrem em colapso.

Em terra, as pressões equivalentes seriam debilitantes. Mas não na água. E quanto mais fundo mergulhamos, mais fortes se tornam os reflexos anfíbios.

A lei de Boyle não foi apenas dobrada em face dessa conversão fisiológica; parecia ter sido anulada.

 

Como na superfície da lua, a gravidade no fundo do mar ainda existe abaixo de 12 metros, mas é bastante reduzida. Passeios, ioga e até caminhadas subaquáticas são possíveis, desde que você prenda a respiração. William Winram, um mergulhador livre canadense, dá uma volta por cima. Fred Buyle / Nektos.net e williamwinram.com

Scholander descobriu que uma pessoa precisa submergir apenas o rosto na água para ativar esses reflexos que prolongam a vida (e salvam vidas). Outros pesquisadores tentaram enfiar a mão ou perna na água na tentativa de acionar o reflexo, mas sem sucesso. Um pesquisador chegou a colocar voluntários em uma câmara de compressão para ver se a pressão sozinha acionaria um reflexo de mergulho semelhante. Sem dados. Apenas a água poderia desencadear esses reflexos, e a água tinha que ser mais fria do que o ar ao redor.

Acontece que a tradição de jogar água fria no rosto para se refrescar não é apenas um ritual vazio; provoca uma mudança física dentro de nós.

Scholander documentou uma das transformações mais extremas já descobertas no corpo humano, uma mudança que ocorreu apenas na água. Ele o chamou de Interruptor Mestre da Vida.

Este trecho foi adaptado com permissão de  DEEP: Life, Death & Amphibious Humans at the Last Frontier on Earth  por James Nestor (Houghton Mifflin Harcourt).

Fonte: https://cutt.ly/Id2tTJJ

Você vai gostar também:

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta


*


*


Seja o primeiro a comentar!

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.